Mão de Luva, o fundador de nosso município

  • PDF

Luciano Huguenin*

Toda nossa história começou pela ganância de um cara chamado Mão de Luva, que veio para nossa região procurar ouro. Pouco se sabe sobre ele. Para os romancistas, foi um importante nobre português que conquistou o coração da então princesa e futura rainha Dona Maria I, numa relação amorosa tumultuada, onde não faltaram promessas eternas, fugas em navio e muita paixão. Para os historiadores, um esperto aventureiro que se instalou nos Sertões de Macacu, atual região do município de Cantagalo e também nossa cidade de Carmo, onde liderou um grupo de exploradores de ouro. Seu nome virou um mito, envolto em mistérios, sendo o que mais fascina a todos é o local onde estaria ocultado o seu tesouro. Mais de dois séculos se passaram e toda essa fortuna, se ela mesmo existiu, ainda está a espera de um descobridor. 

UM BEIJO NA MÃO

Manuel Henriques foi o lendário Mão de Luva,  um importante nobre da coroa portuguesa: o Conde de Santo Tirso, que foi deportado para o Brasil e se instalou primeiramente nas Minas Gerais. Porque Mão de Luva? Diz a lenda que ao se despedir de Dona Maria, quando ambos viviam na Europa, esta teria lhe dado um beijo numa das mãos e presenteado o nobre português com uma luva, pedindo a ele que a portasse pelo resto dos seus dias como recordação do grande amor e do beijo que lhe dera. Por outro lado, outras informações indicam que ele era mulato e que ostentava a luva para esconder um defeito físico. 

No Brasil, ele atravessou o rio Paraíba para procurar ouro nas terras do atual município de Cantagalo. Fundou um rústico povoado junto ao riacho São Pedro. O pequeno núcleo prosperou com a chegada de novos aventureiros,  muitos escravos e mulheres, além de índios pacificados, atraídos pela miragem da riqueza fácil. Viviam todos na clandestinidade, o que lhes proporcionava dupla vantagem: sonegavam o “quinto” (20% da produção para o reino) e vendiam o ouro acima do câmbio real fixado por lei.  Mas a alegria da farra do ouro sem impostos durou pouco, onde Vice-Rei ordenou a imediata fiscalização na região em 1785.

A PRISÃO

A Corte determinou enérgica repressão sobre a região. Conta-se que em 1786 os guardas da corte custaram muito para encontrar o arraial. Já desistindo da caçada, ouviram o cantar de um galo, denunciando a presença dos aventureiros. Tal fato originou o nome da posterior Vila de São Pedro do Canta Gallo, atual município de Cantagalo. 

Os escravos foram recolhidos a cadeia de Vila Velha e depois vendidos em leilão, o ouro e as armas apreendidas tiveram destino ignorado e os líderes do movimento foram levados para o Rio de Janeiro, sendo processados na Intendência Geral do Ouro. 

Mão de Luva foi exilado no extremo sul do país, aonde veio a falecer. Outra versão indica que ele morreu na viagem de exílio para a África, sendo o seu corpo jogado em alto mar. Conta a lenda, que ao despedir-se da vida entregou ao padre um crucifixo de ouro, preso a um grosso cordão, e pediu que fosse entregue à rainha, como prova de seu amor eterno 

O TESOURO 

Com o seu desaparecimento veio a tona as lendas e estórias que especulam sobre o local onde foram escondidos todo o ouro conquistado com anos de ocupação nos arredores do riacho São Pedro, córrego das Lavrinhas e rios Negro e Macuco.

Em suas andanças pela região, conta-se que o aventureiro teria se instalado por breve período de tempo no médio Macaé. A região hoje pertencente ao município de Nova Friburgo. Lá se encontra a famosa Pedra Riscada, uma colossal formação rochosa com 1.425 metros de altura, de onde se descortina uma paisagem belíssima, com visões da serra e de muitas localidades litorâneas. A montanha é muito procurada por praticantes de montanhismo e do ecoturismo, assim como por estudiosos que visitam as muitas grutas que ali se formaram. Este local é cenário para a mais instigante e misteriosa lenda que envolve o contrabandista. Narra a estória, que foram nestas cavernas rochosas, encobertas pela densa floresta que dominava toda a região da serra, que ele teria escondido toda a sua fortuna. Também existem histórias que Mão de Luva e seu grupo esteve na região que se transformou em   Porto Velho do Cunha hoje. Existem lendas que parte do tesouro de Mão de Luva está enterrado nas terras de Porto Velho do Cunha, em vários locais das estradas e florestas. Muitos procuraram, mas até hoje nada foi achado.  Mão de Luva iniciou o povoamento de nossa região, e Carmo surgiu muitas décadas depois graças ao povoamento de Cantagalo. Isso tudo se passou em 1786, antes de D. João chegar se mudar para o Brasil, morrendo de medo de Napoleão. 

Quanto ao tesouro, quem sabe chegou a sua sorte? Poderá ser você que  vai achar! Então saia dessa cadeira, e vá para as estradas de Porto Velho do Cunha procurar!

*Luciano Huguenin é artista plástico e natural de Carmo.



Adicione essa página em sua rede social
Artigos Relacionados:

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado