Informe Rural

Lançado, em Macuco, Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural

  • PDF

Sicar permitirá maior segurança jurídica para os proprietários rurais e recuperação florestal

Quinta-feira, 31 de outubro, foi lançado o Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (Sicar), pela ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira, no Parque de Exposições Egard Rodrigues Lutterbach (Macuco Rural Park), em Macuco.

O Sicar é parte integrante do processo de implantação da Lei 12.651/2012, que institui normas gerais para a proteção da vegetação, áreas de preservação permanente e de reserva legal e a exploração florestal etc. A solenidade aconteceu durante a realização do IX Rio Leite Serrano, promovido pela Secretaria de Estado de Agricultura, através da Emater-Rio (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do  Estado do Rio de Janeiro).


A lei fomenta a regularização ambiental dos imóveis rurais, incentivando a recuperação das áreas ambientalmente mais relevantes, concedendo segurança jurídica ao proprietário/posseiro para que possa continuar exercendo suas atividades econômicas nas áreas consolidadas.

Na avaliação do secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Programa Rio Rural está em consonância com os parâmetros adotados pelo Cadastro Ambiental Rural (CAR).

– Através do Plano Individual de Desenvolvimento (PID), cada produtor rural passa a adotar práticas de produção sustentável e preservação ambiental, iniciando o processo de adequação de sua propriedade. O PID e o CAR são ferramentas que se complementam, possibilitando alavancar os resultados desse levantamento em curto prazo – prevê Christino Áureo.


Prefeitos da região prestigiam o IX Rio Leite Serrano

Evento, realizado em Macuco, reforça a importância dos produtores de leite. Discussões sobre tecnologias e novas formas de manejo beneficiam produtores em geral

Que Macuco, hoje, tem papel relevante na produção leiteira, ninguém duvida. A exemplo disso, foi realizado na cidade, com adesão de municípios vizinhos, mais uma edição do Rio Leite Serrano. O produto é uma das principais fontes de renda dos produtores rurais, e muitos destes produtores são membros da Cooperativa Agropecuária Regional de Macuco. Dessa forma, o leite torna-se um elo que liga intimamente toda a área da Região Centro-Norte Fluminense em um interesse.

Por conta disso, o prefeito Félix Lengruber (PMDB) não perdeu a oportunidade de agradecer aos prefeitos dos municípios vizinhos, que reconhecem a importância de Macuco, com sua cooperativa agropecuária, para a pecuária leiteira em todo o estado do Rio de Janeiro.


Enquanto isso, Carmod Bastos (PT), prefeito de São Sebastião do Alto, elogiou o evento. “É um evento muito bom, de muita informação para os produtores, que fortalece a produção. E Macuco também tem uma estrutura para receber esse vento, então, ficamos muito contentes. Os produtores de São Sebastião do Alto ficam confortáveis aqui”. Para o prefeito, isso tudo acontece para que venha a estreitar os laços entre os produtores, permitindo que eles exponham suas necessidades às autoridades competentes e interessadas no desenvolvimento da pecuária leiteira em todo o estado.

Saulo Gouvêa (PT), prefeito de Cantagalo, também elogiou muito o evento e a Cooperativa de Macuco, assim como o Governo do Estado. A lamentar, só o fato do fechamento da Cooperativa de Cantagalo por conta de dívidas da instituição. O prefeito lembrou que sua gestão já realiza um projeto de inseminação artificial para melhoria genética do rebanho dos produtores locais. Saulo ainda lembrou que já conseguiu, em pouco tempo, liberar a saibreira, que está sendo útil para recuperação das estradas de terra. “Todos sabem que em Cantagalo temos 1,2 mil quilômetros de estradas vicinais que nos últimos tempos ficaram totalmente abandonadas. Desde o início do nosso governo estamos prestigiando os produtores rurais. Já patrolamos e ensaibramos mais de 600 km de estradas e continuamos no trabalho”, destacou.

Já o vice-prefeito de Macuco, Marcelo Mansur (PSB), destacou o papel do município na vocação leiteira regional. “Já tivemos a inscrição de mais de 400 produtores e, para nós, é um prazer muito grande, pois fortalece Macuco como grande polo da produção de leite no estado do Rio do Janeiro. Então, cada vez mais que trazemos eventos dessa magnitude para o município de Macuco, consolidamos nossa posição de líder da beneficiamento de leite in natura no estado”, disse.

Na solenidade de abertura, o secretário da pasta, Christino Áureo, destacou a importância da série de encontros, promovidos em todo o estado, para o fortalecimento da atividade leiteira. “Estamos trabalhando para que o Rio de Janeiro consolide sua marca, mostrando ao país que é possível produzir com qualidade, respeitando o meio ambiente. Incentivamos o aumento da produção leiteira para atender ao nosso mercado consumidor, com a adoção de práticas sustentáveis”, frisou.

Para o produtor Tadeu Leite, de Santa Rita da Floresta, em Cantagalo, que também é vereador no município pelo PSB, as palestras reúnem conhecimentos sobre novas tecnologias. Ele participou de quatro edições do Rio Leite. “Tudo que aprendo aqui procuro levar para o meu dia a dia na propriedade, buscando aumentar a produção e melhorar a renda da minha família. São oportunidades para encontrar outros produtores e trocar ideias”, contou Tadeu Leite, que produz 23 mil litros de leite/mês, entregues à Cooperativa Agropecuária de Macuco.


A relação qualidade e melhor remuneração pelo produto é, para Marcos Tadeu Erthal, vice-presidente da Cooperativa de Macuco, uma das grandes conquistas do Rio Leite. Maior cooperativa do estado, é responsável pela captação de leite em 25 municípios fluminenses. “Hoje, o produtor está antenado com as tecnologias que podem lhe trazer benefícios. Neste contexto, todos saem ganhando” contou Marcos Tadeu Erthal.


Painéis reúnem conteúdo relevante para os 500 produtores rurais presentes

Produção sustentável e melhora da qualidade do leite foram focos das palestras

Os cerca de 500 produtores rurais que estiveram presentes ao IX Rio Leite Serrana foram atrás de um item indispensável para qualquer atividade: informação. E esse conhecimento sobre técnicas e atividades que ajudem a melhora da qualidade do leite foi passado por quatro palestrantes altamente qualificados. A principal questão da melhoria da qualidade, segundo o conteúdo passado pelas palestras, passa por uma produção sustentável do leite.

No primeiro painel, intitulado ‘Ações de Assistência Técnica e Extensão Rural sobre a Qualidade do Leite’, que foi ministrado por Flaviano Leal de Souza, da Emater-Rio (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio de Janeiro). O palestrante destacou questões para o manejo sustentável.


No Painel II, intitulado ‘Manejo de Dejetos Orgânicos na Recuperação de Solos para Produção de Forrageira’, o palestrante José Nestor de Souza, da Emater-Rio, falou sobre o reaproveitamento de um recursos natural da pecuária. Essa ação pode transformar os dejetos orgânicos em esterco para melhorar a qualidade e quantidade dos nutrientes no solo, permitindo, assim, uma melhor alimentação do gado e aumento da produtividade com redução de gastos e menor grau de poluição das fontes de água com dejetos provenientes da atividade de pecuária leiteira.

Essa atenção é necessária, pois, em um sistema natural, o ciclo dos nutrientes ocorre decomposição vegetal e, em um agrossistema, esse processo deve ser controlado pelo produtor rural.

Já a palestrante Mônica Mateus Florião, da Pesagro-Rio (Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro), falou aos produtores rurais no painel III, intitulado ‘Saúde do Rebanho Bovino Leiteiro sob Sistema Orgânico de Produção’. Mônica falou sobre a importância da sanidade do rebanho para o sistema orgânico de produção.


No painel IV, o tema foi ‘Influência das Práticas de Ordenha sobre a Qualidade do Leite’, com Guilherme Nunes de Souza, da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), que falou sobre questões como sala de ordenha, as instalações e os equipamentos, entre outras coisas relevantes para melhoria da qualidade do leite. A sala de ordenhas permite maior qualidade do trabalho na ordenha e a inserção das mulheres nesse setor da produção leiteira.

A melhoria da qualidade do leite traz benefícios para o produtor (diminui as perdas na produção; pode exigir um preço melhor pelo produto; menos gastos com medicamentos no rebanho; valorização dos animais), para a indústria (diminui o custo industrial; aumenta o tempo de prateleira dos produtos; melhora a qualidade dos produtos; rendimento industrial maior; possibilidade de abertura de novos mercados), e para o consumidor (maior segurança do alimento consumido; melhoria na qualidade dos produtos; maior variedade de produtos ofertados).

Parque dos Três Picos, o maior do estado, ganhará 1.550 hectares

  • PDF

A Assembleia Legislativa do Rio aprovou, no dia 22 de outubro, em discussão única, o projeto de lei 2.504/13, em que o Poder Executivo amplia os limites Parque Estadual dos Três Picos (PETP), o maior do estado. De acordo com a proposta do Poder Executivo, a área, de quase 58,7 mil hectares, que abrange os municípios de Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo, Teresópolis, Guapimirim e Silva Jardim, ganhará 1,55 mil hectares. O acréscimo é resultado de uma conta simples: o projeto retira do parque 350 hectares de áreas habitadas e agrega 1,9 mil de área de mata. “Houve uma convergência dos deputados na garantia de que as áreas desafetadas não sofressem crescimento urbanístico e o consenso de que o projeto é benéfico para a preservação ambiental”, afirmou o presidente da Comissão de Meio Ambiente da Alerj, deputado Átila Nunes. Leia mais...

Festival do Morango marca início da safra

  • PDF

Evento será encerrado no próximo final de semana em Nova Friburgo. Objetivo é incentivar a produção, venda e consumo da fruta

Após o sucesso da feira e exposição de morangos, derivados e sistemas de produção, continuam, até o próximo domingo, 27 de outubro, as atrações do Festival do Morango de Nova Friburgo. O objetivo é incentivar produção, venda direta e consumo local, além de divulgar técnicas sustentáveis de manejo da fruta.

Durante todos os sábados do mês de outubro, acontece a edição especial do projeto Mãos na Massa, no Mercado da Vila Amélia (Coopfeira). São oficinas gratuitas de culinária com sugestões saborosas, fáceis de cozinhar e de baixo custo, tendo o morango como protagonista. Sábado passado, dia 19, por exemplo, quando foi realizada a terceira oficina, a extensionista social da Emater-Rio Sônia Gabri ministrou o trabalho e mostrou como preparar pratos salgados, como pão de metro com gergelim e uma salada de folhas com morango. No mesmo dia, foi oferecida degustação da cerveja artesanal Baderna, a Rock Valley Bier sabor morango, lançada especialmente para o evento. Já o último encontro do mês do Mãos na Massa, no próximo sábado, dia 26, será comandado pela produtora rural Fernanda Schuenck Hottz, que representa as associações Amorango e Aprorio, e vai apresentar a já famosa taça de chocolate com morango e chantilly. Todas as oficinas acontecem sempre às 10h, com limite de 20 participantes. Os interessados devem retirar uma senha no local a partir das 9 horas.

O secretário estadual de Agricultura e Pecuária, Christino Áureo, avalia que as atividades do festival demonstram os resultados das políticas de fortalecimento desta importante cadeia produtiva da Região Serrana do estado do Rio de Janeiro. “Com a inclusão do morango no Programa Frutificar e o apoio técnico, os produtores do estado puderam retomar e aprimorar sua produção”, disse.

Durante o festival, 35 restaurantes, hotéis e pousadas do município estão servindo sobremesas com a fruta.


Apae de Nova Friburgo receberá alimentos da Ceasa-RJ

Entidade será cadastrada no progama Banco de Alimentos

O secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Felipe Peixoto, esteve, no último dia 10 de outubro, na Associação dos Pais e Amigos dos Especiais de Nova Friburgo (Apae) para visitar as instalações da entidade, que sofreu a perda de um de seus dois imóveis após a tragédia provocada pelas chuvas de janeiro de 2011 na cidade. Um novo prédio foi construído a partir da soma de esforços de empresas, da sociedade civil e do Governo do Estado, que doou de R$ 1 milhão proveniente do lucro obtido com a venda de bilhetes da Raspadinha S.O.S Região Serrana, da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj).


Dois edifícios compõem o complexo da Apae de Nova Friburgo, onde são atendidas 500 pessoas de 0 aos 50 anos de idade. Um terceiro está sendo projetado para as funções administrativas.

O secretário Felipe Peixoto enfatizou a admiração pelo trabalho e destacou que não irá medir esforços para contribuir com o trabalho que vem sendo desenvolvido pela equipe de Maria das Dores Mello Pacheco. “É um trabalho admirável e poder ajudar é gratificante. Estarei, através da Secretaria de Desenvolvimento Regional e de suas vinculadas, como a Ceasa-RJ e Fiperj, somando esforços para contribuir com o trabalho dessa mulher incansável. Nosso primeiro passo será cadastrar a instituição no programa Banco de Alimentos para que se torne uma beneficiada das doações da Central de Abastecimento. E também incluí-la no Programa de Aquisição de Alimentos que a Ceasa-RJ vai desenvolver em parceria com o Ministério do Desenvolvimento”, anunciou o secretário.

Fundadora da Apae de Nova Friburgo, Maria das Dores, a Dorinha, relembrou quando deu início à instituição, há 35 anos, no porão de sua casa, e destacou a importância da colaboração das pessoas para o projeto. “Para nós, cada um que estende a mão entra na história e na filosofia da Apae, se tornando um amigo da associação, um ‘apaiano’. Somente com a ajuda recebida durante todo esse tempo é que foi possível construir esse sonho. Mas ainda há muito a ser feito”, declarou Dorinha, se referindo ao projeto Pousada Especial, para atender maiores de 18 anos.

Natural da cidade, o deputado Olney Botelho acompanhou o secretário Felipe Peixoto na visita à Apae. Em 1998, quando ocupava o cargo de deputado estadual, homenageou Maria das Dores com a medalha Tiradentes. “O que a Dorinha faz pelos friburguenses através da Apae é admirável. São anos de luta dessa mulher incansável. Quem esteve aqui após a tragédia de 2011, quando a sede da associação foi devastada, e se depara hoje com essa estrutura magnífica, não acredita que se trata do mesmo lugar. Isso, graças ao esforço de Dorinha e de apoiadores, como o Governo do Estado, que teve papel importantíssimo nesse processo”, lembrou o deputado.

APAE – Entidade nasceu no Rio de Janeiro, em dezembro de 1954. Hoje, o movimento se espalhou pelo país e é mantido pela força de trabalhadores como Dorinha, em Friburgo.


Seminário Rural Legal acontece no próximo sábado, em Conquista

Encontro reunirá produtores de 16 municípios do interior

Com o objetivo de tratar de questões relacionadas ao cooperativismo e à sustentabilidade, a Associação Rural Legal irá promover, no próximo sábado, 26 de outubro, das 8h às 20h, na Ceasa, no distrito de Conquista, em Nova Friburgo, o seminário Rural Legal. O encontro irá reunir produtores rurais e moradores de 16 municípios do interior fluminense, que participarão de oficinas, acompanharão diversas palestras, vídeos, além de shows.

O evento terá início às 8h com a recepção dos inscritos. A abertura oficial será às 9h e contará com a participação de autoridades estaduais, municipais, equipes da Ceasa e de cooperativismo. O ciclo de palestras terá início às 10h30min., seguido de uma apresentação cultural de mineiro-pau. Fechando as atividades da manhã, haverá a exibição de vídeos para debates.

Após a pausa para o almoço, as atividades serão retomadas com exibições de vídeos e, às 17h, haverá a apresentação das cooperativas destinadas ao Rural Legal e as oficinas (Amorango, Cooperativas de Cervejeiros, de Alimentação, Ecoserra e Associações de Produtores Rurais). O encerramento fica por conta do show de Titito Batera.

O Rural Legal é uma associação em atividade desde 2010, que tem por finalidade estimular, provocar e viabilizar programas de desenvolvimento integrado: saúde, educação e economia, de modo a garantir o equilíbrio psicossocial das regiões atendidas. Tem sua base de trabalho em Campo do Coelho, terceiro distrito de Nova Friburgo, que abrange as regiões de Conquista, Cardinot, Barracão dos Mendes, Centenário, Salinas, Baixada de Salinas, Três Picos, Florândia da Serra, Fazenda Rio Grande, São Lourenço e outras pequenas comunidades.

Quem quiser participar do Seminário Rural Legal – Cooperativismo: Harmonia e Sustentabilidade basta fazer a inscrição na Ceasa de Nova Friburgo, que fica na RJ-130 (Rodovia Nova Friburgo/Teresópolis, Km 47,5). Mais informações pelos telefones (22) 9818-7069 ou 7813-4766.


Proprietário de 23 fornos é multado por fabricação de carvão em Duas Barras

Armando Nogueira alegou, como defesa, desconhecimento da lei

Uma liminar da Justiça fluminense impediu, dia 14, que 23 fornos ilegais para a fabricação de carvão fossem destruídos. Os fornos foram localizados uma operação da Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), através de uma denúncia anônima. A operação foi montada para embargar, multar e demolir os fornos ilegais de carvão construídos nas proximidades do Parque Estadual dos Três Picos, no município de Duas Barras.

De acordo com a Secretaria de Estado do Ambiente, a atividade é considerada potencialmente poluidora e a madeira que abastece os fornos é da Mata Atlântica. A produção ilegal de carvão vegetal é altamente danosa ao meio ambiente, pois provoca a destruição de espécies de mata nativa. A multa pode chegar a R$ 1 milhão.

Os agentes da Cicca e policias militares do Comando de Polícia Ambiental (Cpam) não puderam dinamitar os fornos porque o proprietário da área, Armando Pinto Nogueira, apresentou, por intermédio do seu advogado, uma liminar concedida pela juíza Maria do Carmo Alvim Padilha Gerk, da Vara Única de Duas Barras, impedindo a demolição dos fornos.

De acordo com o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, o empreendimento estava funcionando sem licença e, mesmo com a decisão da juíza, a secretaria vai tentar cassar a liminar. “A liminar era para não destruir os fornos, então o empreendimento foi embargado, ele não pode fazer carvão. Foi multado porque estava funcionando sem licença e nós vamos tentar quebrar a liminar, porque a gente sabia que eles usavam uma parte de eucalipto plantado, o que pode, mas para a produção que ele tinha de carvão era muito acima do fornecimento de eucalipto plantado. Então, ele fazia o que muitos fazem: um mix de uma parte legal e uma parte ilegal”, explicou.

Já o empresário Armando Nogueira afirmou que não tinha a licença por desconhecimento. “Nós já tínhamos toda a documentação do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), já há muitos anos, desde 1988. Iremos procurar imediatamente uma pessoa especializada no assunto e providenciar a licença”.

São Sebastião do Alto tem uma das maiores bacias leiteiras do estado

  • PDF

Anúncio foi feito durante a abertura da Exposição de Valão do Barro

Após 15 anos sem realizar a tradicional festa agropecuária da cidade, Valão do Barro, segundo distrito de São Sebastião do Alto, realizou, no último final de semana, a XXI Exposição Agropecuária, e com grande público. Para receber o público, o parque de exposições passou por uma reforma geral e recebeu piso asfáltico por todo o espaço. O destaque do evento foi o concurso leiteiro, que reuniu vários produtores, além das tradicionais barracas, shows e concurso da rainha.


Presente à abertura do evento, o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Felipe Peixoto, reafirmou o compromisso do Governo do Estado em investir na Região Serrana. “O resgate de um evento que há anos não era realizado na cidade marca um momento positivo de recuperação da Região Serrana. São Sebastião do Alto é uma das maiores bacias leiteiras da região e, consequentemente, uma das maiores fornecedoras da Cooperativa Agropecuária de Macuco. A população precisava resgatar esse orgulho. Por isso, não medimos esforços para contribuir com a realização da exposição e promover o desenvolvimento de outras áreas com grande potencial  na cidade, como a agricultura e a piscicultura. O desenvolvimento do interior é fundamental para o crescimento do estado”, discursou o secretário Felipe Peixoto.

O prefeito de São Sebastião do Alto, Carmod Bastos (PT), comentou a importância do evento para a autoestima da população. “O mais gratificante é sentir o orgulho da população com o retorno do evento, que só foi possível pelo apoio de todos e, especialmente, do Governo do Estado, que proporcionou toda a estrutura e auxiliou na divulgação. Paralelamente, a presença do governo, através da Ceasa-RJ (Central de Abastecimento do Estado do Rio de janeiro) e da Fiperj (Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro), tem contribuído para a qualificação das atividades, o que reflete diretamente no desenvolvimento da cidade e contribui para a melhoria de vida”, declarou Bastos.

Semana passada, técnicos do escritório regional da Fiperj ministraram o curso básico de piscicultura, com ênfase em tilápia, para 30 criadores de Valão do Barro. A unidade da Fiperj, em Cordeiro, atende 14 municípios, promovendo a assistência aos produtores de pescado, cursos de capacitação e pesquisas.

Quem compareceu pode conferir um pouco dos projetos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional nos estandes da Ceasa-RJ e da Fiperj. Funcionários das duas instituições estaduais orientavam o público.


Carmo se destaca em eficiência de vacinação contra a aftosa

A Secretaria de Agricultura de Carmo conseguiu um grande resultado na última campanha de vacinação contra a febre aftosa: 99,31% do rebanho foi vacinado e, com isso, o município se tornou o quinto melhor do estado em eficiência na vacinação e o primeiro da região. Vale ressaltar que os quatro municípios do estado do Rio de Janeiro com índice melhor que o de Carmo – Angra dos Reis, Mangaratiba, Porto Real e Rio das Flores – têm rebanhos consideravelmente menores.

O município de Carmo tem rebanho total de 28.993 animais. Deste total, 28.869 foram vacinados. O número total de bovinos e bubalinos só é menor que o de Cantagalo e São Sebastião do Alto na região do núcleo de Cordeiro. Mesmo com este grande rebanho, o município conseguiu um índice elevadíssimo de vacinação, que é de responsabilidade do produtor rural. A Secretaria de Agricultura monitora e auxilia no processo.

A febre aftosa é uma enfermidade altamente contagiosa que ataca a todos os animais de casco fendido, principalmente bovinos, suínos, ovinos e caprinos. Dá-se em todas as idades, porém há diferenças de suscetividade de espécie. A doença é produzida pelo menos por seis tipos de vírus, sendo que três foram isolados na África e os demais apresentam ampla disseminação. Não há transmissores, o vírus é vinculado pelo ar, pela água e alimentos, apesar de ser sensível ao calor e à luz.

A elevação da temperatura e a diminuição do apetite são os primeiros indícios da infecção. O vírus ataca a boca, língua, estômago, intestinos, pele em torno das unhas e na coroa. Devido às lesões entre os cascos, o animal tem dificuldade de se locomover. Os surtos de aftosa surgem repentinamente e com muita frequência. Todos os animais suscetíveis do rebanho apresentam os sintomas praticamente ao mesmo tempo. A intensidade da doença é muito variável. Na forma leve, as perdas podem alcançar uns 3%, enquanto que, nas graves, alcançam 30% a 50%, porém, em média, a mortalidade é baixa nos adultos e elevada nos jovens.

– No último dia da campanha, visitamos todos os produtores que ainda estavam inadimplentes, então nós conseguimos orientar alguns e atingir esse número. Se o rebanho bovino tiver incidência de aftosa, a carne não pode ser consumida. Se esse trabalho não for feito, toda a comercialização do município é prejudica. Não é um problema local, é nacional – concluiu o secretário municipal de Agricultura, Adriano Fernandes.


Governo do Estado investe nas estradas rurais da Região Serrana

Ação conjunta dos programas Rio Rural, Estradas da Produção e da Emater-Rio garante escoamento de gêneros alimentícios

Na Região Serrana, estradas vicinais dos municípios de Bom Jardim, Nova Friburgo, Sumidouro e Teresópolis vêm recebendo aplicação de material de revestimento primário (brita tipo bica corrida) para melhorar a condição operacional de acesso dos moradores e de escoamento da produção agrícola. 

Executadas pelos escritórios de engenharia rural da Emater-Rio (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro), através do programas Estradas da Produção e Rio Rural Emergencial, as obras somam R$ 1,9 milhão, em recursos financiados pelo Banco Mundial. São, ao todo, quase 30 mil metros cúbicos de material aplicado em 83 trechos de vias rurais considerados críticos em 22 microbacias hidrográficas. A iniciativa conta, ainda, com a parceria das prefeituras dos municípios contemplados, que fornecem mão de obra e serviços.

Em Nova Friburgo, o agricultor Antônio José Botelho Morais, conhecido popularmente como Zezé, está satisfeito com o trabalho de revestimento na via que dá acesso ao sítio onde vive, na localidade de Salinas. Com ajuda da esposa, cuida das lavouras de brócolis americano e couve-flor, escoadas para o Rio de Janeiro. “Há três anos, não tínhamos melhoria por aqui. Os moradores é que tinham que arcar com a própria manutenção da estrada. Tudo ficou melhor agora”, afirmou. Já Ozório Francisco Fernandes, que vive há mais de 50 anos com a família em Salinas, acha que a melhoria nas estradas valoriza o lugar onde mora. “O serviço está muito bem feito”, disse.

Nova Friburgo é o único município da Região Serrana do estado do Rio de Janeiro com quatro microbacias trabalhadas simultaneamente pelo Rio Rural. No primeiro semestre deste ano, foram realizados sorteios que definiram a ordem de liberação de recursos para aplicação em projetos de desenvolvimento sustentável nas microbacias de São Pedro da Serra, Salinas/Santa Cruz e São Lourenço, beneficiando, ao todo, mais de 400 famílias de agricultores.

Ainda neste ano, estão previstos sorteios nas microbacias Barracão dos Mendes e um segundo em Salinas/Santa Cruz, que vai contemplar 300 famílias. Ao todo, serão R$ 5 milhões investidos através de recursos não reembolsáveis ao produtor. Atualmente, o Rio Rural está em fase de elaboração do PID (Plano Individual de Desenvolvimento), uma das etapas de planejamento.


Garota Cordeiro vence concurso em Valão do Barro

Após mais de 15 anos parada, a Exposição Agropecuária de Valão do Barro, segundo distrito de São Sebastião do Alto, volta em grande estilo e até promove um concurso para escolha da rainha da festa, evento que reuniu as modelos eleitas este ano para representar as suas cidades nessas disputas regionais de beleza.


Após análise dos jurados, o título ficou com a Garota Cordeiro Alexsandra dos Santos, de 18 anos de idade, que conseguiu a maior pontuação da banca examinadora.

Bastante aplaudida, já que o evento foi uma das grandes atrações, Alexsandra dos Santos recebeu a faixa e a premiação com o prefeito Carmod Bastos (PT) e a primeira-dama Isolda Bastos. Para eles, a eleição foi um marco importante do retorno da festa, que agradou em cheio os moradores do distrito.

Pgina 18 de 18

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado