Geral

Inscrições para seleção de novos Conselheiros Tutelares estão abertas em Cantagalo

  • PDF

Inicia, no dia 8 de abril, em Cantagalo, na Região Serrana do Rio, as inscrições para seleção dos cinco novos conselheiros tutelares do município. O prazo de inscrição termina vai até o dia 17 de abril. A remuneração salarial é de R$2.036,05 para jornada semanal de trabalho de 40 horas, incluindo os plantões, e o mandato de quatro anos. 

Para os interessados em participar do processo, é necessário ter o ensino médio completo (antigo 2º grau), idade superior a 21 anos, residência no município há pelo menos dois anos, reconhecida idoneidade moral e experiência mínima de dois anos, conforme o artigo 55 da Lei Municipal 1.104/2012.

A inscrição dos candidatos será realizada perante o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, mediante requerimento do próprio e cópia dos documentos constantes no edital. Os candidatos ao Conselho Tutelar deverão se inscrever das 8:00h às 17:00 horas, de segunda à sexta-feira, no seguinte local: I – Travessa Luiz Carlos Falcão, s/n, Centro – Cantagalo/RJ - Secretaria Municipal de Assistência Social.

Os candidatos passarão por diversas etapas, entre elas a Prova sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, que acontecerá no dia 30 de Junho. E também  a Votação para o Conselho Tutelar que acontecerá no dia 6 de outubro.



Adicionar Comentario

Nova Friburgo exporta roupas íntimas, álcool etílico, cadeados, fechaduras e guarnições

  • PDF

Em 2018, as exportações brasileiras somaram US$ 239,5 bilhões e as importações US$ 181,2 bilhões, de acordo com dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços. 

Em Nova Friburgo, os números são bem mais modestos, mas não menos importantes. Só as exportações, por exemplo, chegaram a movimentar R$ 2,8 milhões no ano passado, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Para a especialista em Comércio Exterior da Firjan, Flávia Alves, o número do ano passado representa uma queda de 3% em termos de valor (em milhões de dólares) sobre o ano de 2017, mas avalia que o resultado das exportações de itens produzidos em território friburguense ainda deixa o município em posição de destaque.

Mesmo com a queda de 3% das exportações, na Região Centro-Norte Fluminense, referente a 2017, Nova Friburgo foi o município que mais se destacou, sendo responsável por 75% do total exportado na região.

Dos principais destinos das exportações do município de Nova Friburgo têm-se Paraguai (US$ 733,9 milhões), com participação de 26%, seguido de Uruguai (20%), Bolívia (17%) e Alemanha (17%).

Os dados da Firjan mostram também que dentre os itens exportados há bastante variedade, com destaque para álcool etílico (US$ 906 mil) com incremento no preço médio de 20% e participação de 24% do total exportado; roupas íntimas (US$ 970 mil), que tiveram queda acima de 20% no valor e quantidade, mas representando mais de 20% da pauta; e cadeados, fechaduras e guarnições (US$ 850 mil) que, apesar do aumento das exportações, o preço médio diminuiu.

Da Região Centro-Norte Fluminense, Nova Friburgo exporta 99% de soutiens, cintas, espartilhos e itens relacionados e é responsável por 100% das exportações de cadeados e fechaduras, combinações, saiotes, calcinhas, artefatos para apetrechamento de construções e guarnições para móveis. Além disso, a cidade responde por 65% de álcool etílico não desnaturado do total exportado.

Atuando no setor de bebida alcoólica há 42 anos, a Cachaça Nêga Fulô ajuda a alavancar esse resultado. Só a empresa exporta o equivalente R$ 592,8 mil reais. A cachaça é produzida na Fazenda Soledade, no bairro de São Geraldo. O diretor-sócio do empreendimento, Vicente Ribeiro, detalha os motivos que levam o produto a ser importante na pauta de exportação de Nova Friburgo.

“No exterior, existe um mercado grande que aprecia destilados como rum, uísque e a cachaça, que tem seu posicionamento, mas poderia exportar muito mais. Atualmente, as exportações de cachaça (do país) giram em torno de 15 milhões de dólares e, na minha opinião, é muito pouco. Nosso diferencial é trabalhar com foco e vocação, já que somos uma empresa pequena. Com apenas 17 funcionários, levamos nosso produto, com as técnicas de produção, para países da Europa, os Estados Unidos e o Japão”, declara.

Para a analista da Firjan, Flávia Alves, ações como a desburocratização e facilitação do comércio internacional podem alavancar ainda mais esses resultados.

“Entendemos que devem ser impulsionadas ações que melhorem o ambiente do comércio exterior brasileiro, buscando mecanismos de desburocratização, facilitação do comércio internacional, estímulos a investimentos e créditos para exportação. Com isso, gerar competitividade ao produto, impulsionar o desenvolvimento e a internacionalização das empresas de Nova Friburgo”, afirma.

Por fim, Flávia revela o que se pode esperar do setor de exportações neste ano.

“Quando analisamos os valores das exportações de Nova Friburgo, nos meses de janeiro e fevereiro de 2019, com os mesmos meses dos últimos quatro anos, é possível esperar um cenário positivo para as exportações do município em 2019”, conclui.


Adicionar Comentario

Prefeito Rodrigo Viana se reúne com direção da ENEL para acertar detalhes do terreno no qual será construída quadra em Tapera

  • PDF

O prefeito de Trajano de Moraes, Rodrigo Viana formalizou, no dia 2 de abril, durante uma reunião em Niterói – Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O encontro foi no prédio da concessionária de energia elétrica Enel, e contou com a presença de gestores da empresa. A pauta do encontro foi à doação da área que futuramente poderá ser construída a quadra poliesportiva em Vila da Grama – popularmente chamada também de Tapera.

Participou também da reunião, o secretário municipal de Indústria, Comércio e Turismo

Tiago Pecly, o secretário municipal de Habitação Cláudio Moraes, o secretário municipal de Administração Elair Pinheiro, além de Edson Camara Curty – executivo de atendimento de governo na Enel, Luciana Vaz – Responsável cliente de governo, Thomaz Henrique – Responsável patrimônio da Enel.

“Estamos em busca de uma área para a construção da quadra poliesportiva em Tapera. Essa será de grande valia para a juventude. Precisamos inserir nossa garotada no esporte, porque esporte é qualidade de vida. Sem contar que a área poderá servir também para futuros eventos de cunho público, uma vez que o local será totalmente coberto, oferecendo assim mais segurança e comodidade à população”, disse o prefeito Rodrigo Viana.

Atualmente a empresa concessionária de energia elétrica Enel é detentora de um espaço que poderá abrigar o investimento da prefeitura. “Estamos conversando para tentar com a empresa esse espaço, uma vez que a localização dele é privilegiada e de fácil acesso aos moradores. O local é amplo e seguro”, avaliou.

Outro assunto foi com relação à regularização fundiária em parceria com o Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro – Iterj. “Estaremos nos próximos dias lavrando um ato oficial para iniciarmos esse processo de aquisição para construção de uma quadra e já planejando o futuro, solicitamos áreas para construção no futuro de uma nova escola e uma creche, lembrando que a empresa Enel é proprietária de varias áreas naquela região. O Trabalho não para”, comentou o prefeito Rodrigo Viana. 



Adicionar Comentario

Novos radares começam a operar nas estradas estaduais

  • PDF



O primeiro lote, com 43 novos radares de controle de velocidade do DER-RJ, começam a operar nas rodovias estaduais do Rio de Janeiro a partir do dia 8 de abril, nas RJs 116, 122, 130, 174, 182 e 186.

Os equipamentos de fiscalização eletrônica de velocidade, para efeito de penalidade, fiscalizarão as rodovias, diariamente, das 6h às 22h, seguindo a nova legislação.

Os radares, além de ajudar a reduzir acidentes, foram implantados em pontos com alto índice de acidentes, densidade demográfica elevada, proximidade de escolas, hospitais e trechos com frequentes atos de desrespeito à sinalização.

“Os radares têm um caráter educativo e podem salvar vidas”, diz o diretor de Operação e Monitoramento e Controle de Trânsito, José Luiz Teixeira da Silva.

Todos os trechos foram sinalizados com placas de velocidade máxima permitida, que variam entre 50 e 60 km/h, de acordo com as necessidades de cada rodovia. Logo, motoristas de veículos que excederem os limites estabelecidos serão autuados.

Até o final de abril, serão instalados ou substituídos por novos 256 radares do DER nas rodovias estaduais do estado. Na próxima semana, será divulgado um novo lote que entrará em funcionamento para a fiscalização.

Esta é mais uma ação prevista para os cem primeiros dias do novo governo do estado. “O objetivo é fazer com que os condutores reduzam a velocidade, contribuindo, sempre, assim para a diminuição do número de acidentes em nossas rodovias”, disse o presidente do DER-RJ, Uruan Cintra de Andrade.



Adicionar Comentario

Encontro no Rio, debate a cadeia produtiva do leite fluminense

  • PDF

A Secretaria de Agricultura do Estado (Seappa) e o Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Rio de Janeiro (Sindlat) promoveram no dia 27 de março deste ano, encontro para discutir o potencial de desenvolvimento da cadeia agroindustrial de leite no Estado do Rio de Janeiro. O evento, realizado na Federação das Indústrias do Rio (Firjan) , contou com a participação do subsecretário Ramon Neves, do presidente do Sindlat, Antônio Carlos Cordeiro, e de produtores de diversas regiões do Estado do Rio de Janeiro. Também estavam presentes representantes da Secretaria de Estado das Cidades, visando à criação de um plano de ações integrado.

Em primeiro lugar, através do convidado Valter Galan, sócio-diretor da Milkpoint Inteligência, foi realizada uma explanação da situação da cadeia produtiva do leite no Estado com parâmetros de produção a níveis mundial e nacional, com base nos dados obtidos pelo diagnóstico realizado pela Milkpoint em 2016.

Hoje, o Rio de Janeiro é o segundo maior mercado consumidor do país, numa média de quase 3 bilhões de litros por ano, mediante uma produção de 500 milhões. A Cadeia Leiteira Fluminense movimenta R$ 670 milhões/ano, empregando cerca de 45 mil pessoas diretamente, em 15.225 propriedades. A agroindústria beneficiadora conta com 102 empresas, aproximadamente 3 mil empregos diretos, com faturamento de cerca de R$ 1,14 bilhão/ano.

Diante desses números, a produção do leite, hoje, é uma atividade com expressivo potencial de crescimento, sendo uma das prioridades da Seappa, no que concerne a programas de formação e assistência tecnológica, através da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-Rio) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado (PESAGRO) e outros investimentos, para que esta cadeia produtiva possa atingir patamares mais elevados, contribuindo para o crescimento econômico do estado e gerando emprego e renda.

Após a apresentação deste diagnóstico, na parte da tarde, foi realizada uma reunião de encaminhamento, onde foram debatidas as linhas de ação que deverão ser implantadas para que a produção de leite no estado possa ampliar sua capacidade e produtividade.

A previsão é de que, até a segunda quinzena de abril, um plano de trabalho seja apresentado para início imediato.



Adicionar Comentario

Começam obras de R$ 4 milhões no Hospital Raul Sertã, em Nova Friburgo

  • PDF

A Prefeitura de Nova Friburgo realizou no dia 28 de março, a assinatura do contrato para retomar as obras de expansão do segundo e terceiro pavimentos do Hospital Municipal Raul Sertã. As obras devem começar no início de abril.

A empresa friburguense Frienge, que ficou na terceira posição na licitação de 2012, vai dar continuidade à construção. Segundo a prefeitura, a empresa que havia vencido o certame, à época, faliu, e a segunda colocada não aceitou o valor ofertado.

De acordo com o Poder Executivo, a estimativa é de investir R$ 4 milhões na unidade de Saúde. O dinheiro é oriundo do pacotão de obras para a cidade aprovado pela Câmara de Vereadores no dia 19 de fevereiro deste ano. Os recursos vêm da venda das ações da Energisa pertencentes ao município que seriam destinadas à aquisição da antiga Fábrica Ypu, mas cuja compra foi indeferida pela Justiça.

O prefeito Renato Bravo destaca que o contrato foi apenas atualizado, mas que não ocorreram mudanças no projeto.

“A obra é do projeto Somando Forças (do Governo do Estado), que acabou e a Prefeitura decidiu levá-lo adiante. Podem ocorrer mudanças, mas, a princípio, o projeto segue o mesmo”, declara o prefeito.

As intervenções que serão feitas vão expandir as dependências da unidade criando mais 20 leitos para adultos, 10 infantis e cinco salas cirúrgicas, além de clínicas médicas entre os andares. As melhorias vão triplicar o número de leitos de UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) e a quantidade de pacientes atendidos atualmente. No projeto, também existe a previsão de construção de dois elevadores.

De acordo com a secretária de Saúde, Tânia Trilha, o atendimento vai aumentar em cerca de 45%. Ela também informou que a previsão é que a obra seja concluída em até um ano. Em relação às reclamações a respeito da dificuldade no atendimento de pacientes na emergência do hospital, a secretária relata o que pode ser feito a curto prazo.

“Vamos ter 30 leitos de CTI e algumas clínicas cirúrgicas entre os dois andares. Quanto a questão do atendimento, principalmente no último ano, muitas pessoas, até pela deficiência do governo estadual, deixaram de realizar seus atendimentos na rede particular, ou seja, deixaram de pagar seus planos de saúde, aumentando nossa demanda. Com o término de contratos de Recibo de Pagamento Autônomo (RPA) e alguns cortes em cargos comissionados estamos reorganizando toda a estrutura da Saúde. Temos algumas deficiências, mas estamos estruturando nossos recursos humanos para que possamos contratar mais pessoas para realizar este atendimento”, declara.



Adicionar Comentario

Coronel da PM, Castelano é homenageado nas Câmaras de Itaocara e Miracema

  • PDF

No dia 25 de março deste ano, o coronel da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Eduardo Vaz Castelano, chefe do Estado Maior do sexto Comando de Policiamento de Área, recebeu por unanimidade da Câmara dos Vereadores de Miracema a moção de aplauso que foi de autoria do vereador Fabrício Xavier. 

Para o professor Anselmo Biasse a homenagem é merecida em decorrência dos relevantes serviços prestados à população da nossa região, e em especial ao município de Miracema, na manutenção da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio, de forma firme e civilizada, em respeito aos princípios constitucionais.

Já a Câmara Municipal de Itaocara no dia 12 de março de 2019, concedeu também por unanimidade a moção de aplausos ao coronel da Polícia Militar, Eduardo Vaz Castelano, pelo reconhecimento de sua determinação, destreza e compromisso com a sociedade, pela força e coragem nos serviços prestados no âmbito da segurança da população itaocarense e região.

A moção de aplauso foi de autoria do vereador Jaderson Aleixo que também em 2015 concedeu ao coronel  Castelano o título de Cidadão Itaocarense.

"A Polícia Militar é um segmento importante na proteção da sociedade, dando exemplos de dignidade e cidadania, treinando homens para servirem com eficiência a população do Estado. Tal corporação é bem representada por seus oficiais e praças, como é o exemplo do coronel Eduardo Vaz Castelano, agora atuando como chefe do Estado Maior do 6º CPA (Comando de Policiamento de Área), que colabora para manter o valoroso nome desta instituição militar no lugar mais elevado em importância e confiabilidade", explanou o professor de Itaocara, Anselmo Biasse.



Adicionar Comentario

Dr. Afrânio: “...tenho visto mais casos de Câncer...”

  • PDF



O conceituado e experiente médico Afrânio Gomes Pinto Júnior, numa entrevista exclusiva ao Jornal da Região, analisa e comenta os casos de câncer ocorridos na região nos últimos anos. “Há cerca de 12 anos, quando levantava dados para minha dissertação de Mestrado, tentei sem sucesso levantar dados sobre Câncer nos municípios da região, e nenhuma das Secretarias de Saúde tinha arquivos organizados sobre esse grupo de doenças”, afirmou o médico.


Jornal da Região (JR) - O senhor como médico, qual sua avaliação dos casos mais frequentes de câncer na região, inclusive com mortes?
Afrânio Gomes Pinto Júnior (AGPJ) - Quando você me questiona invocando minha condição de médico, coloca a conversa num patamar técnico, e para tratar tecnicamente de frequência de uma determinada enfermidade não podemos fazê-lo sem base estatística, epidemiológica, do que, infelizmente, não dispomos. 

Embora todos percebamos um aumento do número absoluto de casos de Câncer, isso não basta para afirmarmos aumento da incidência da doença. Só recentemente, há menos de 1 ano, a Câmara dos Deputados aprovou uma lei que torna obrigatória a notificação de casos de Câncer, contudo, ainda hoje, isso não se tornou uma prática adotada pelos profissionais e instituições de Saúde. 

Há cerca de 12 anos, quando levantava dados para minha dissertação de Mestrado, tentei sem sucesso levantar dados sobre Câncer nos municípios da região, e nenhuma das Secretarias de Saúde tinha arquivos organizados sobre esse grupo de doenças. Só obtive informações imprecisas, curiosamente, transmitidas pelo pessoal que fazia o transporte de pacientes, mas nada que me permitisse afirmar qualquer dado científico sobre incidência, órgão acometido, tipo, evolução, ou mesmo causa.


JR - O senhor é médico do trabalho, e sempre demonstrou preocupação com a queima de resíduos nas indústrias cimenteiras. O senhor acredita que este trabalho poderia estar aumentando os casos de câncer na região?
AGPJ - Em Saúde Pública e também em Saúde Ambiental devemos nos pautar pelo Princípio da Precaução, que recomenda “garantia contra os riscos potenciais que, de acordo com o estado atual do conhecimento, não podem ainda ser identificados.” 

Embora não tenha como acompanhar a queima de resíduos tóxicos em fornos das indústrias cimenteiras de Cantagalo já há mais de 20 anos, ao menos quando trabalhei em uma delas, não se praticava o Princípio da Precaução, uma vez que associavam-se, indistintamente, vários resíduos químicos, de diversos processos industriais e diversas procedências, constituindo-se uma mistura cujo potencial tóxico era imponderável. 

Nessa lógica, essa prática poderia ser responsável por agravos à Saúde das populações expostas, como trabalhadores das coprocessadoras, das cimenteiras, motoristas de caminhão que traziam os resíduos a Cantagalo, populações vizinhas às fábricas. Pessoalmente atendi a algumas pessoas que adoeceram nessas atividades, entretanto não posso afirmar com base científica que essa prática possa ser responsável pelo aumento de casos de Câncer na região.

Há cerca de 10 anos participei de uma Comissão que tinha o propósito de discutir o impacto da queima de resíduos sobre a Saúde Coletiva em Cantagalo. Naquela ocasião, propusemos que as indústrias assimilassem o Princípio da Precaução, investindo na identificação criteriosa do potencial tóxico dos resíduos trazidos para destruição em Cantagalo, e que custeassem pesquisa sobre possíveis agravos à Saúde, causados pela atividade, entretanto a Comissão se extinguiu por ausência dos representantes das indústrias às reuniões.




JR - Como médico experiente, o que poderia explicar para a população leiga, sobre estes casos de mortes de câncer? Seria normal?
AGPJ - Câncer, em realidade, é um grande grupo de doenças, que caracterizam pelo crescimento desordenado de diferentes linhagens de células, em qualquer órgão do corpo e são descritos na literatura médica há muitos séculos.

Os Cânceres desenvolvem-se a partir de condições genéticas (câncer do intestino grosso e próstata) e, sobretudo, em função de condições ambientais (sol e câncer de pele), estilos de vida (álcool e câncer de fígado; cigarro e câncer de pulmão, mama, brônquios, boca, laringe e bexiga), alimentação (bebidas destiladas e muito quentes causando câncer de esôfago; alimentos excessivamente salgados e defumados no câncer de estômago; obesidade e câncer de mama e intestino), agentes infecciosos (HPV e câncer do colo do útero; vírus das Hepatites B e C e câncer do fígado), agentes químicos (asbesto ou amianto e câncer de pleura; benzeno e leucemia; cádmio e câncer de rins, estômago e próstata).

Nos casos em que a doença tem comportamento mais agressivo, estende-se a outros órgãos, é detectada mais tardiamente, acomete órgãos mais importantes ou em pessoas que tenham a saúde comprometida por outras condições, a doença pode levar à morte.


JR - O senhor teria alguma estatística sobre os casos? Em seu consultório tem aumentado as consultas com pacientes com esta doença?
AGPJ - Como já disse acima, se observarmos a incidência através de números absolutos, sim, tenho visto mais casos de Câncer do que há alguns anos atrás, entretanto, não tenho como, tecnicamente, correlacionar esses números com o total de pacientes atendidos. Contudo estou convicto que as Autoridades de Saúde precisam implementar uma pesquisa ampla, envolvendo todos os serviços de Saúde, públicos e privados, de forma a apurarmos a incidência de cada tipo de câncer e correlacioná-los com possíveis agentes causadores, porque só assim poderemos, efetivamente, evitá-los.



Adicionar Comentario

Pgina 4 de 446

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado