Trajano de Moraes faz abaixo assinado para tentar evitar fechamento de Comarca

  • PDF

Um abaixo assinado está circulando pela internet em que o município de Trajano de Moraes, representado por suas autoridades legais, servidores públicos, membros de associações, instituições e demais munícipes,  encaminhando o documento ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro pedindo para que não se concretize o fechamento da Comarca do município.

É que tramita no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, o procedimento administrativo de nº. 2017.103494, cujo objetivo seria aglutinação ou extinção das Comarcas do interior do Estado do Rio de Janeiro.

"Assim, vem o ente público manifestar, de forma veemente, sua contrariedade à aglutinação e/ou extinção da Comarca de Trajano de Moraes, cuja proposição acarretará diversos e incomensuráveis prejuízos a toda população trajanense", justifica as pessoas que assinam o abaixo assinado.

O município de Trajano de Moraes conta com cinco distritos, e uma vasta extensão territorial de mais de 500 km², dentre os quais mais de 1.000 km de estradas vicinais, cujos limítrofes territoriais circundam os Municípios de Nova Friburgo, Bom Jardim, Macaé, Cordeiro, Macuco, São Sebastião do Alto, Santa Maria Madalena, e Conceição de Macabú.

"A extinção/aglutinação da Comarca da Vara Única de Trajano de Moraes, trará inúmeros e gravíssimos prejuízos para toda a população trajanense, principalmente, porque inviabilizará o amplo acesso à justiça em todos os seus âmbitos, até mesmo, diante da própria logística do transporte público municipal existente", garantem os organizadores do documento.

O prédio público, que funciona o Fórum da cidade, também tem instaladas as instituições, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, e a 45ª Subseção da OAB/RJ, que não só garantem o acesso à justiça, como auxiliam o exercício da própria cidadania.

"Ainda, o fórum atende a uma população carente, sem condições de se deslocar e, atualmente, sem sombra de dúvidas, nosso Município é um dos que mais sofrerá com os nefastos e injustos efeitos deste processo, mormente, diante de todas as peculiaridades aqui traçadas", justificam.

A Comarca de Trajano de Moraes está instalada desde 3 de agosto de 1968, quando o Poder Judiciário, então, já havia percebido sua indispensabilidade para o povo trajanense e o desenvolvimento municipal.

A existência dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário na esfera municipal é demasiadamente imprescindível, e logicamente, não só preserva como garante a harmonia dos Três Poderes em prol do bem estar de toda uma população, argumentam os defensores.

"Sendo a garantia de acesso efetivo à máquina jurídica e judiciária, talvez um dos maiores mecanismos de luta para a realização da ordem jurídica justa capaz de efetivar o exercício da cidadania plena, nós, autoridades legais, servidores públicos, membros de associações, instituições e demais munícipes, passamos a expressar a contrariedade ao ato, que pretende deixar um Município legalmente constituído sem o seu Poder Judiciário", concluiu o pedido das autoridades e munícipes que assinaram o abaixo assinado.





Adicione essa página em sua rede social
Artigos Relacionados:

blog comments powered by Disqus

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado