Obras da Estação ferroviária de Visconde de Imbé está paralisada desde o governo passado

  • PDF

“A estação de Visconde o governo passado derrubou, a colocou literalmente no chão…”, garantiu o atual assessor de Comunicação da Prefeitura de Trajano de Moraes, o jornalista Douglas Smmithy, a reportagem do Jornal da Região.

O prédio da estação ainda existia em 2004, mas em janeiro de 2008, estava praticamente demolido, para uma reforma do prédio, enquanto muitos defendiam a restauração do prédio histórico. Na época, chegaram a divulgar que ela estava sendo restaurada para se tornar um centro cultural. Mas em 2009 a obra teria sido embargada pelo Instituto Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN). E com isso, em 2012, já estava em ruínas.

As autoridades municipais da época chegaram a informar que o distrito de Visconde de Imbé em Trajano de Moraes, começava a receber, as obras e a limpeza da Estação Ferroviária do local. “Funcionários da prefeitura estão fazendo a retirada de entulhos para a chegada dos materiais de construção. Um novo prédio será construído com um amplo espaço cultural, Agência de Correios e um Telecentro Digital”, garantiam as autoridades.

Com um investimento de R$ R$ 503.622, numa parceria da Prefeitura de Trajano de Moraes com o governo do Estado. 

Para o então prefeito do município de Trajano de Moraes, Carlinhos Gomes, este investimento atrairia visitantes e servindo  de referência para quem visita a região. “Já estamos trabalhando nestas conquistas há anos e hoje podemos dizer que teremos uma Estação ferroviária reconstruída”, disse, animado na época com o início das obras.

O ramal que ligava Entroncamento (Conde de Araruama) a Ventania (Trajano de Morais) teve a linha entregue em 1878 até Conceição e no ano seguinte até Triunfo (Itapuá) e Ventania, pela Estrada de Ferro Barão de Araruama. Somente em 1896, já com as linhas de posse da Leopoldina, foi entregue a continuação até Visconde do Imbé e em 1897 a Manoel de Morais. Antes disso, em 1891, o engenheiro Ambrosino Gomes Calaça havia aberto uma linha entre Ventania e Santa Maria Madalena, estabelecendo outro ramal. 

Logo após a inauguração, a linha foi vendida à Estação Ferroviária Santa Maria Madalena, e em 1907 à Leopoldina. 

Dependendo da época, a linha principal era Conde de Araruama-Madalena, ou Conde de Araruama-Manoel de Morais, com o outro trecho sendo o ramal, ou seja, passando por baldeação ou espera em Trajano de Morais. 

Em 31 de agosto de 1965, o trecho a partir de Triunfo foi suprimido para trens de passageiros, ou seja, o entroncamento de Trajano de Morais já não era alcançado. Em 1967, o que restava do ramal acabou de vez. O trecho entre Conde de Araruama e Conceição de Macabu ainda funcionando para a Usina Victor Sence, até o início dos anos 1990. Com a sua desativação, os trilhos foram arrancados.





Adicione essa página em sua rede social
Artigos Relacionados:

blog comments powered by Disqus

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado