Rogério Cabral lamenta que Friburgo não elegeu deputado estadual

  • PDF



Em entrevista exclusiva ao Jornal da Região, o ex-prefeito de Nova Friburgo e ex-deputado estadual Rogério Cabral analisa a situação da política, e principalmente lamenta que a cidade não elegeu um representante na Assembléia Legislativa. Ele também faz um balanço de seu último ano de governo na Prefeitura. Nas redes sociais, já começar existir um movimento de “Volta Cabral” para que ele seja candidato a prefeito em 2010.

Jornal da Região (JR) - Poderia passar algumas informações sobre a aprovação de suas contas: qual foi o ano?  Quem foi o membro do TCE que deu parecer favorável? 
Rogério Cabral (RC) - A prestação de contas de administração financeira da Prefeitura de Nova Friburgo referente ao exercício de 2016 (último ano do Governo Rogério Cabral) foi aprovada pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A relatora do processo foi a Conselheira Andreia Siqueira Martins. O parecer prévio favorável às contas foi encaminhado à Câmara Municipal que ratificou o ato, aprovando suas contas.

JR - Qual foi a receita do município em 2016?
RC - A Receita Arrecadada Líquida no exercício de 2016 foi de R$ 405.635.145,32, inferior à previsão constante do orçamento de R$ 586.064.922,00, ocorrendo um déficit de arrecadação de R$ 180.429.776,68, o que significa um decréscimo percentual de 30,79% em relação ao total da arrecadação prevista. Em relação à Receita Corrente Líquida - RCL houve uma redução de 4,57% da receita corrente líquida arrecadada no exercício de 2016 em relação à Receita alcançada no exercício de 2015. Esclareço que ainda entreguei o Município com 80 milhões em caixa. É importante frisar que compramos 58 equipamentos, tais como caminhões, máquinas, além de uma Usina de asfalto “quente” com capacidade para produzir 80 toneladas/hora, sendo uma das mais modernas, a qual proporcionou um asfaltamento em grande escala no Município, com mais 100 ruas no período de 1 ano.

JR - Qual foi o percentual gasto com a folha de pagamento em 2016?
RC - As despesas com a folha de pagamentos do Poder Executivo respeitaram o limite fixado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita o gasto a, no máximo, 54% da RCL, fechando o quarto quadrimestre em 49,96%. Na minha gestão consegui junto ao STF revalidar o famigerado concurso de 1999 e fizemos um outro concurso em 2015, sem contar que jamais atrasamos os salários dos servidores.

JR - Quanto foi aplicado na Educação?
RC – A prefeitura aplicou na manutenção e desenvolvimento do ensino infantil e fundamental o percentual de 28,46% do total das receitas resultantes dos impostos e transferências legais. O resultado demonstra que o município ficou acima do mínimo exigido, que é de 25%, conforme fixado pelo artigo 212 da Constituição Federal.

JR - Quantas escolas e creches foram construídas neste período em Nova Friburgo?
RC - O Município obedeceu ao limite mínimo de 60% de aplicação dos recursos do FUNDEB com o pagamento da remuneração dos profissionais do magistério da educação básica em efetivo exercício na rede pública, tendo em vista que aplicou 89,95% dos recursos do Fundo com esta finalidade. Com o resultado, o município ficou acima do limite mínimo de aplicação, que é 60%, de acordo com o previsto na Lei Federal 11.494/07. Nesse período construí 6 creches e 5 novas escolas, num total 11 unidades escolares além de entregar uniformes e material escolar para toda a rede de ensino, prestigiando os servidores da Educação com uma festa de fim de ano, onde foram sorteados vários brindes.

JR - E na Saúde, o que foi feito?
RC – O montante aplicado nas ações e serviços públicos de saúde, no exercício de 2016, pelo Município de Nova Friburgo, foi de 35,92%, tendo cumprido, portanto, o previsto no artigo 7º da Lei Complementar n.º 141/12. Conforme o previsto no artigo 7º da Lei Complementar nº 141/12, os municípios são obrigados a aplicar anualmente em ações e serviços públicos de saúde, no mínimo, 15% da arrecadação dos impostos. 
Em minha gestão foram construídos três novos postos de saúde e inauguramos outros dois em imóveis já existentes. Nesse período mantivemos a UPA 24H em pleno funcionamento sem receber a contrapartida do Estado por mais de 20 meses.

JR - O que está fazendo da vida atualmente? 
RC - Atualmente estou aproveitando o momento com a família, pois durante 25 anos de vida na política sacrifiquei minha família, não vi minhas filhas crescerem, e agora que tenho um neto estou curtindo ele um pouco. E também cuidando das minhas atividades como produtor rural.

JR - Por que não foi candidato este ano? 
RC - Decidi não vir candidato a pedido da família, me reuni com eles e me foi passado que eu deveria não vir candidato, pois deveria cuidar mais de minha saúde, haja vista o momento desgastante que foi conduzir um município que depende de 80% de receita oriunda de outros órgãos e com a crise tanto a União quanto o Estado não cumpriram com os repasses ao município. Então para manter as contas em dia e não descumprir a lei me sacrifiquei muito, e a saúde começou a mostrar sinais de que deveria ao menos por agora não vir candidato para cuidar da saúde, mas estou bem melhor, foram 2 anos afastados que me fizeram rejuvenescer 20 anos.

JR - Qual sua avaliação das eleições deste ano?
RC - Tenho visto com preocupação o fato de Nova Friburgo não ter conseguido fazer um Deputado Estadual, isso é ruim, pois conforme falei antes, Nova Friburgo depende de repasses da União e do Estado e sem um representante nosso na ALERJ certamente dificultará uma “briga” para que nossa cidade possa ser beneficiada. Mas entendo que todas as mudanças são positivas. Em nossa cidade o povo quis uma mudança e fico feliz por ter contribuído com minhas idéias e muito trabalho pela nossa cidade no período da minha gestão 2013/2016.






Adicione essa página em sua rede social
Artigos Relacionados:

blog comments powered by Disqus

Área exclusiva - Login

Notícias completas e versão digital exclusivas para assinantes

Informativo JR

Cadastre-se e fique bem informado